Negro Rei

Loading...

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Como um transe

 

COMO UM TRANSE



Por direito a memória
Poeta,me diga o que eu cante
Que o meu tempo reclame
O som da sua história
Que a este povo encante
A palavra latejante
Meus braços possua
No limite do horizonte
Teu amor pela lua
Diga-me o que faço agora?
Enquanto escrevo...
Se o viço de outrora
Nem se quer alcanço
E em preçe sem descanso
Participas tua presença
Minha alma te contempla
Ávido sem demora
Me intuas o teu canto
Feliz como um remanso
Em espirito me encorpora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário