Negro Rei

Loading...

quarta-feira, 16 de março de 2011

Eu


Eu sou o verso e estou vivendo
Dançando na corda-bamba
E tudo acontecendo
Com a tutela da mudança

Rimo com a esperança
A serena liberdade
De ser quem sou, a usança
Águia, no tom e na diversidade

E eu sou verso
Que nem seca nem molha
Compondo meu universo
Sou forte nessa hora!

Me descubro e me amo
Cada vez que sinto
O melhor de ser só

E me permitindo
Deixo a porta aberta
Faço meu destino
Como água recomeça
Entre pedras no caminho

Pudesse eu ser um cometa
Mas sou um verso
Para que não me esqueça
Degêlo teu olho cego. 


Iracema Albuquerque
16.03.11

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Superação

 

                                                 superação

                                       
 constata-se uma preocupação
                                         incersão lúcida na realidade
                                        reconheçer e desumanização
                                    homens desafiados pela criticidade
                                          vocação negada na injustiça
                                         afirmada na própia negação
                                        o meio envolvente que limita
                                       elemento básico na mediação
                                             na raiz da sua inclusão
                                 permanente movimento de busca
                                           na realidade uma ação
                                 pela educação uma adesão justa
                                         como atributo herdado
                                   instrumento de nossa reflexão
                                  não é, porém um destino dado
                                   sim,na ordem um resultado
                                  se descobrem seus refazedores
                                  ao alcaçarem este conhecimento
                                    vendo-se novos construtores
                                    inconscientes agora atentos
                                       a superação é um parto
                          que tráz ao mundo , um homem novo
                                       por definição um marco
                                      um homem libertador.


Inspirada no livro pedagogia do oprimido (Paulo Freire) minhas leituras.

Um sonho

 

um sonho

                                                 com um dia especial
                                                     uma explosão
                                                 numa manifestação
                                                     de liberdade!
                                        amor com força descomunal
                                    que os homens do mundo inteiro
                                     se dêem as mãos como iguais
                                               vendo todos juntos
                                   em mãos uma nova realidade
                            uma alegria nesse caldeirão cultural
                                               um sonho de ver
                        fortalecida a identidade humana universal.

"inspirada nos meus sonhos...

                                                               meu sonho
Iracema Albuquerque
19/04/2008

Prélio

prélio

                                          um adeus sem festa
                                sequer ter ouvido um gemido
                                         o pior  de te perder
                                             foi não ter vivido
                                       um defensor paladino
                                           árdego e arteiro
                                            silente destino
                                              um guerreiro
                                     prélio do desejo e razão
                            toques que não tive,saudades...
                             seguro, me esconde o coração
                               que no olhar liberta a verdade

Criação

 

CRIAÇÃO

                                             

                              compreendida se for amada
                                 assidua se for procurada
                                quanto mais se conheça
                             mais pode ser transformada
                                        o destino era viver
                                           tinha que ser
                               hoje a luz dos meus versos
                             a existência me fez entender
                               misteriosamente revelada
                          que o amor é estratégia da vida
                          que a criação pra vencer
                                tem que ser amada
                        assim , cultuando a criação
                            não sabia que podia
                         guardada com toda sorte
                         ter vencido com alegria

     
Iracema Albuquerque
29/04/2008

Eu sei

 

EU SEI

                                                     
                                                      eu sei
                                                 no teu olhar
                                       o sentimento guardado
                                        a capacidade de amar
                                           o respeito devotado
                                           obrigado a silenciar
                                          no saber um soldado
                                           disposto a esperar
                                            das coisas que sei
                                          e que não foram ditas
                                        obras que o destino fez
                                       na minha história de vida
                                         uma magia no teu olhar
                                             penso que fui feliz
                                           quando na vida quiz
                                       ser verdadeira e me amar
                                     nos espaços que só eu sei
                                       sinto você a me esperar
                                       meu segredo encantado
                                         o tempo vai me revelar

Lasso Coração

 

Lasso coração.

                                                     
                                                Perdoa-me pela omissão
                                                   Vi tudo se desfazer
                                            árdego presente da emoção
                                         Medo precipuo por anteceder
                                                      Coração lasso
                                       Que te ver nos deuses e em tudo
                                             Um novo céu ,o sagrado
                                               De enlevo não durmo
                                           Pernoito com a esperança
                                              Sem quase perceber
                                          Que a noite é uma criança
                                          E então vejo o amanhecer
                                            Um corpo incêndiando
                                   Nas despedidas sem movimento
                                        Enganos que por encantos
                                     Denunciam meu pensamento
                                      Desejando o amante confidente
                                   Um homem com amor de verdade
                                      Impávido no trato do que sente
                               Conhecedor do mistério e da realidade
                                   Um sonhador com o pé no chão
                                                    Onde andas...
                                   Defensor da vida por inspiração
                                               Por onde andas?...

Negra Flor

 

NEGRA FLOR



                                             Resistência essa negra flor
                                            Vem,entre outros animais
                                                  Levantando homens
                                                 Erguidos além da dor
                                              Venha soberana senhora
                                                  Para que eu não tema
                                            A razão da minha diferença
                                                  A tortura de outrora
                                      Nem a que o presente reza agora
                                             Consequência medonha
                                       Consciência se refaça senhora
                                            Na mente de quem sonha
                                         Para que não me sinta metade
                                               O delirio e o devaneio
                                          Que descubra com liberdade
                                         O que é ter vivido por inteiro
                                           Que a lágrima se estanque
                                                 Cante uma canção
                                               Do que fala o sangue
                                       Direito de voz,ressurreição

13/05/2008

Ela

 

ELA

Oferto ao amor
Os sonhos delas,um doce de leitura
Que me acompanhe aonde eu for
A liberdade toda nua
E o que eu escreva lembre Dandara
Uma escrita com força de mulher negra
Com coração de vanguarda
Sútil , graça guerreira
Anastácia fala pela minha canção
É que quando escrevo estou rezando
A palavra que soa no meu coração
Oferto aos sonhos no meu canto.                                  
                                                                      
                                                                        
                                                         

Pedido ao Futuro

 

PEDIDO AO FUTURO

Que realize os sonhos meus
Ah! este sol que brilha
Que os meus irmãos ,também possam chamar de seu
Que a justiça tenha unido o povo
E o que for do povo , em suas mãos
A história , a cultura o gozo
Se faça presente no presente e desde então
A igualdade exista como um tesouro...

Fala de Maria

 

FALA DE MARIA

Quem semeia verso colhe canção.O melhor  testemunho atualmente devo a Maria,de Capoeira, Quilombo em Macaiba Natal/RN.Inteligente,capaz de olhar o nosso mundo e o mundo dos outros e sem dúvida a nossa identidade com os nossos olhos.E até com uma fagulha de orgulho responde a uma consciência critica;em razão daquele dia 25 de julho( dia da mulher negra Latina  e Caribenha) em uma mesa composta por mulheres negras e suas espeficidades, para discurssão.Entre pérolas à fala de Maria:
       
  -Lembro da nossa casa...da minha mãe, que foi meu exemplo de luta,eram muitos filhos e a sorte do comer que por muitas vezes dormia sem fazê-lo,e eu naquele tempo de menina pensava que "futuro" de mulher era cresçer ,casar e ter filhos e vendo o seu sofrimento ,chorava sem pespectiva.
Mas a presença do meu pai e a união deles superava;supria a falta que a falta de tudo nos fazia ,e todo aquele amor me fez ter vontade de fazer a minha história, Principalmente estudar e hoje estou aqui contando a minha história.
     
  -De olhos regados e emocionando a todos,ficou de pé e disse:
       -Resisti e eu ainda vou ser uma enfermeira!
 

A ti a minha

 

A ti a minha

Margarida perfumada
A tua boca, seiva suculenta
Que teus ósculos irrigava
O viço que a ti sustenta
A matriz do meu jeito
Tua razão delirante
Enraizou no teu peito
Suspiros ofegantes
Permeando nosso leito
Incomodando dona lama
Obrigando-te respeito
Arrebatou a nossa cama
Acreditou no desfeito
Mas sua memória a engana
Silenciosa saudade
Ofereça-te liberdade
Se teu desejo apascenta
Te permites e tentas
Um jardim de verdade...

Sendo

 

SENDO


Como uma florzinha,que brota em pedras
segue o rumo das àguas?
Se na sua vida,no ao nascer
De água não conheçeu
não teve o gosto de beber
e uma flor continuou sendo...
Apenas existe !
E embeleza um viver
E sabe! mantenhe-se as claras
forte e rara...
Conquistou o direito de ser.

Como um transe

 

COMO UM TRANSE



Por direito a memória
Poeta,me diga o que eu cante
Que o meu tempo reclame
O som da sua história
Que a este povo encante
A palavra latejante
Meus braços possua
No limite do horizonte
Teu amor pela lua
Diga-me o que faço agora?
Enquanto escrevo...
Se o viço de outrora
Nem se quer alcanço
E em preçe sem descanso
Participas tua presença
Minha alma te contempla
Ávido sem demora
Me intuas o teu canto
Feliz como um remanso
Em espirito me encorpora.

Delicado

 

DELICADO


Ai...agente recusa o que pode
E,não,ao dedo da morte
As luzes das vozes
recusa o que ,no coração explode
Dizendo que sofre
É chora!
Arrependido da sorte
Que enquanto pode
Não disse que amava...

Depois eu te quero

 

DEPOIS EU TE QUERO


Meu nêgo
Agora eu te vejo
Assim tão acabado
Depois de provar do meu amor
Tu vai repousar
Depois de provar
Do sabor do meu corpo
Olhe pro çeú,o sol atráz do mar
E tú diz que num pode
Nem água no pote
Prá se banhar
E agora eu te vejo...
Depois de gemer
Tú me faz te querer
De ser homem daquele jeito!
Como cantiga de grilo
Cantando sem parar
E de prazer se vingar no grito
Ah ! ai eu digo venha cá
Mas tú acabado
E tú diz que foi eu
Se foi tú que mexeu
Com quem sabe montar
Sou eu,o todo,do meio
Que provoca teu prazer
Se é tudo que sei fazer
É ter o jeito
É o feito,meu nêgo
Olha, vai amanheçer...
Dorme que depois eu te quero
Quando acordar!.

"Do universo um segundo"

 

DO UNIVERSO UM SEGUNDO

E diz o amor...
Que há tempo de amar
De exemplo, um beija-flor
Faz do mundo um melhor lugar

Olhar pro çeú
Com tempo de amante
Beijo com mel
Nas cores do horizonte

Na luz do seu olhar
O brilho do alvoresçer
Amando semear
Amando ser você

A  alegria de ser assim
Saboreando pão de ló
Puxa-puxa e alfenim
Como no tempo da vovó

Acreditar em milagres
Ser feliz com a vida
No lume da verdade
Oh ! terra tão querida


Um punhado de ternura
Espalhado pelo ar
Pingos de doçura?
Da vontade de amar!

Insâna

INSÂNA

Insâna
Observando os sentimentos ...
Os vejo,abstrata escultura indecifrável
Permea-se pelo corpo,alento
Heptágono coberto a véu

Um mar de çéu
de ardor vestido
Meu sentido réu
O nada ao todo vivo

Profundo a voz de dentro
Se ergue como um lama despido
Enredo do pensamento
Ladro mantra passivo

Depois do sonho e da aurora
Recolher caprichos e prazeres
Voragem que se encorpora
Lanho contrito nos seres

Certezas fincadas no âmago
Cálido,gélido e atordoador
Fustigante ensino insâno
A brincar no labirinto a bibelô

Imortal ! se ergue em templos
Com portas para o infinito
Existência que sinta comeno
Do seu viver, o seu sentido.

Converse

 

CONVERSE

CONVERSE

Não sou apenas carne
Tenho espirito
Homem que Sabe
Me dê um sorriso!

Quando me quiseres
Me ouça,me complete
As palavras mal ditas
São amargas e frias

Então não me castigue
Por mais que duvide
Não serei o teu çéu
Nem o caso seu

Quando me quiseres
Me ouça e me despe
De atalho converse
E estarei seminua

Expressa e tua
E eu te farei um rei
Dos prazeres que sei
Serei toda sua

Me ouça tranquilo
E eu não reclamo
Anime-se querido
Meu amor vem chegando...

Gosto de Você

 

GOSTO DE VOCÊ


Que mastiga a cama
Carinhos de cana
Coisas que não...
Dentes frágeis são
De perto e que se vê
Que se chega a tocá-lo
A sua ternura bruta
Que lhe mantém neste estado
nú de todo hábito
Com teu beijo ávido
Que me ilumina por dentro
Fogo! no canavial ao vento
Na carne desta vela
Porque me acendo nela
Apresso em descarnar
Assim como quem espera
Propagar a prosa
E acordar de um sono lento
E despertar a folha a mostra
Que não exibe tempo
Onde o verso protesta
A potência da carne
No sereno da festa
O delirio da arte.